4 de nov de 2014

Voltei!

Ultimamente tenho usado mais a caneta que o mouse e trocado o teclado pelo caderno, pra não me esquecer como é que se escreve sem usar um computador.
Quantas vezes não recortei um texto e perdi a cola?
Quantas vezes apaguei sem querer uma parte de mim no word?

Agora é no papel que registro meus sentimentos e ali que me perco completamente.
Entre linhas é mais fácil conduzir o caminho das palavras, o fio da meada se desenrola mais facilmente. E meu fascínio pela escrita, é que ela se dá no silêncio do riscado, no cheiro que traz o papel novo ou antigo, tornando favorável o sonhar acordado.
Enquanto o pensamento se revela, os sentimentos são libertos... E me descubro ser; ser jorrante. Que nasce a cada instante de tinta azul.
Agora, vou em busca do silêncio da madrugada.